SEJA BEM-VINDO!

A ARTE RENOVA O OLHAR!

domingo, 19 de fevereiro de 2017

Algo sobre


# Concordância com o verbo "ser"

Se o sujeito do verbo ser ou parecer for constituído pelos pronomes: isto, isso, aquilo, tudo e o predicativo estiver no plural, o verbo irá para o plural:

Exs: Isto são ossos duros de roer.
Aquilo pareciam-me bisbilhotices...
Eram tudo falcatruas de profissional incompetente.

a) Se o sujeito designar pessoa, o verbo concordará com ele:

Exs: Ela era as alegrias da casa.
Jaime foi os terrores de seu bairro.

b) Se o sujeito é constituído de um substantivo e o verbo ser vem seguido de pronome pessoal, o verbo concordará com o pronome:

Exs: Os funcionários mais aplicados somos nós.
Os maiores diretores sois vós.
Os verdadeiros profissionais são eles.

c) Nas orações interrogativas com utilização de quem, o verbo concorda com o substantivo ou pronome que lhe segue:

Quem são os profissionais dessa organização?
Quem és tu?
Quem sós vós?


d) Em indicações de horas, datas, tempo, distância

A concordância será feita com a expressão numérica:

São dez horas.
É uma hora.


e) Nas locuções: é pouco, é muito, é mais de, é menos de, junto a especificações de preço, peso, quantidade, distância e etc., o verbo fica sempre no singular.

Cento e trinta é pouco.
Duzentos metros é muito.


f) Nas expressões do tipo: ser preciso, ser necessário, ser bom, o verbo e o adjetivo pode ficar invariável (verbo na 3ª pessoa do singular e adjetivo no masculino singular) ou concordar com o sujeito posposto.

É necessário aqueles materiais.
São necessários aqueles materiais.



g) Na expressão: é que, usada como expletivo, se o sujeito da oração não aparecer entre o verbo “ser” e o “que”, ficará invariável. Se aparecer, o verbo concordará com o sujeito.

Eles é que sempre chegam atrasados.
São eles que sempre chegam atrasados.

# O Sujeito é um pronome interrogativo, demonstrativo ou indefinido plural

Se o sujeito for constituído pelos pronomes indicados, o verbo pode permanecer na 3ª pessoa do plural ou concordar com o pronome pessoal que indica o todo:

Quantos, entre os empregados, estariam dispostos a participar dos festejos?
Quantos, entre vós, estaríeis dispostos...

Se o interrogativo estiver no singular, o verbo ficará no singular.
Nas orações interrogativas que utilizam quem ou o que, faz-se a concordância com o substantivo ou pronome que vier depois do verbo:

Quem são os alunos?
Quem és tu, ó Filomena?
Quem sois vós que tanto me apressas?
Que será isso que aconteceu?
O que são estragos, defeitos?


# Sujeito composto + palavra que os resuma

Se o sujeito for composto e houver palavras que os resuma, o verbo concordará com esta palavra.

Relatório, correspondências, memorandos nada o levava a tomar uma atitude diferente.
Clientes, fornecedores de serviços, vendedores, ninguém queria visitá-lo durante a semana Santa.
Os pedidos, as súplicas, o desespero, nada o comoveu.

Verbos impessoais


São aqueles que não possuem sujeito. Portanto, ficarão sempre na 3ª pessoa do singular.


Havia sérios problemas na cidade.
Fazia vinte anos que ela havia parado de dirigir.
Deve haver sérios problemas na cidade.
Vai fazer vinte anos que ela parou de dirigir.


Dicas:
Os verbos auxiliares (deve, vai) acompanham os verbos principais.
O verbo existir não é impessoal. Veja:


Existem sérios problemas na cidade.
Devem existir sérios problemas na cidade.


A locução "Haja Vista"


A locução “haja vista” admite duas construções. A expressão fica invariável ou o verbo haver pode variar (desde que não seguido de preposição), considerando-se o termo seguinte como sujeito.


Haja vista as lições dadas por ele.
Haja vista aos fatos explicados por esta teoria.
Hajam vista os exemplos de sua dedicação.


OBS: “Haja visto” só existe como forma verbal quando equivalente a “tenha visto”:
O caseiro poderá testemunhar caso ele realmente haja visto o crime.


A expressão "Em que Pese"


Na expressão “em que pese”, o verbo “pesar” permanece invariável quando se tratar de pessoa ou concorda com o sujeito quando se tratar de coisa.


Em que pese aos governistas, votaremos contra.
Em que pesem as suas contradições, a melhor tese ainda é a dele.


O Verbo "Parecer"


Em orações desenvolvidas, o verbo parecer fica no singular.


As paredes parece que têm ouvidos.
(Parece que as paredes têm ouvidos.)


Quando seguido de infinitivo, admite duas concordâncias:
a) O verbo parecer varia e não se flexiona o infinitivo.
Alguns colegas pareciam chorar naquele momento.


b) O verbo parecer não varia e o infinitivo sofre flexão.
Alguns colegas parecia chorarem naquele momento.


OBS: A primeira construção é considerada corrente, enquanto a segunda, literária.




Fontes: algosobre.com.br
mundoeducação.com

Nenhum comentário:

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...