SEJA BEM-VINDO!

A ARTE RENOVA O OLHAR!

domingo, 22 de novembro de 2015

BAUMAN OU O HUMANISMO EM ESTADO PURO


" Impulsionada pelas falas de gente que o vê de uma maneira mais intelectualizada e/ou recoberto por seus certeiros conceitos sobre todas as grandes e pequenas aberrações que formam a tal pós-modernidade (termo que parece desagradar a muitos) tentei retirar dessa mistura algo que chamarei, de forma despretensiosa e limitada, de ‘essência humana’; algo que resplandece em suas reflexões e que talvez explique esse seu grande ‘sucesso’.

Sim, sei que sucesso é uma palavra que lembra coisas como celebridades, fama instantânea e alguns outros brilhos fugazes que envolvem tudo que é produzido pela indústria do entretenimento, mas Bauman está a anos luz disso tudo pois é professor universitário e não celebridade ‘roliudiana’; ele e suas ideias que ele mesmo nem acha assim tão contundentes _ ao contrário de alguns pensadores semanais que vemos lançando ‘bombas’ sobre isso e aquilo e que desaparecem num instante _ ele e sua seriedade nada lisonjeira e bastante normal para um sociólogo que gosta do que faz e tenta, incansavelmente, apontar caminhos para quem tiver disposição de ouvir/ler seus muitos livros. (Quando pensamos, por exemplo, na onda do politicamente correto que parece ter recoberto tudo _ até a arte, essa área que não deveria se curvar a tais limites _ com uma espécie de cinza niveladora que transforma em porcaria tudo sobre o qual recai; vemos porque seu trabalho chegou em boa hora e é cada vez mais necessário: é que ele não tenta agradar ninguém e somente segue, destrinchando os bastidores desse nosso, farto em bizarrices, sistema social).

Sobre a tal ‘cinza niveladora’, ouso pensar até que ele talvez seja uma espécie de ‘guru’ que surgiu nessa fase do tempo infinito (tempo e não somente a pós-modernidade; tempo visto como um contínuo incessante que é sempre ilusório e que limita qualquer tentativa de reflexão mais elaborada porque condiciona nossos pensamentos/ações em qualquer ‘tempo’) como aquele que conseguiu ver no rastro de pó desse tempo, alguns detalhes que escaparam a outros pensadores e entre tais ‘detalhes’ lá estava a razão de tudo: o homem, esse ‘instrumento’ tantas vezes esquecido e ignorado por aqueles que analisam (como diz ele) o ‘gerenciamento do mundo’.

Tempos interessantes...para alguns

Zygmunt Bauman - fonte Wikicommons

Acho que a capacidade de enxergar primeiramente ‘o humano’ é que transformou Bauman em pensador indispensável para esses nossos interessantes tempos, tempos, aliás, que ele afirma serem bênçãos para os ‘solidários e pensantes’ e péssimos para aqueles que não têm essas, digamos, virtudes. Li em algum lugar que alguns acham Bauman pessimista e talvez, saudosista, porque, por exemplo, não vê com bons olhos a onda tecnológica na qual estamos todos envolvidos e que transformou alguns de nós (até as crianças) em seres que só se entendem como humanos, quando conectados (ou seja, quando estão distantes da realidade real e imersos na virtual; bem louco isso, não?). Sua visão ácida do reino da alegria que é o Facebook também já se tornou clichê, mas é importante notar que seu pensamento sobre as tais redes sociais continua tão pertinente que acabou sendo adotado por outros pensadores e no final, nós como usuários das tais redes, já percebemos (?) o quanto esse ambiente é quase sempre, carregado de hipocrisia (a nossa e a dos ‘outros’ logicamente). Mas eu penso é que cada um transfere para cá o que é ‘lá fora’, simples assim.

Sobre a velocidade das notícias Bauman (citando alguém) diz que somos ‘inundados por informação, mas famintos por sabedoria’: não sei quanto a vocês, mas me sinto exatamente assim desde que o avanço tecnológico que possibilitou a internet e todos os seus desdobramentos revolucionários foi ganhando corpo ali em meados do começo do século (e que estranho é escrever isso: começo do século). O fato é que, tecnologicamente, avançamos de forma surpreendente: há 30 anos se um visionário europeu ou norte-americano (são sempre eles, não?) dissesse, por exemplo, numa entrevista ao ‘fantástico’ Fantástico (é que houve um tempo em que esse programa era melhorzinho e era somente o que havia) que algum dia haveria a possibilidade – via computador e telefone – de se falar com pessoas que estão fisicamente distantes certamente seria tachado de louco, para dizer o mínimo. Pois avançamos: tantos estudos foram feitos por pessoas que nunca saberemos quem foram _ porque quando se divulgam ‘coisas’ revolucionárias geralmente os nomes daqueles que trabalham nos bastidores não são destacados _ tantas pesquisas meticulosas nos trouxeram a essa modernidade recheada de facilidades cotidianas tão sensacionais que deveríamos sermos todos agradecidos e legais uns com os outros, não é mesmo? (Mas então, porque será que não somos?)

Ah, mas se fôssemos assim tão legais, não usaríamos o face (nada mais que um tranquilizante cerebral, segundo Bauman) para mostrarmos nossas conquistas (estéticas, profissionais, acadêmicas, amorosas e etc.) publicamente, carentes que somos de afagos em nossos egos. Também seríamos altruístas e solidários, mas se assim fosse, viveríamos numa redoma utópica e o mundo seria tão perfeito e maravilhoso que talvez morrêssemos... de tédio... Somos imperfeitos e andamos por um imenso e até agora, infindável, corredor de espelhos chamado ‘zona de conforto’ (segundo ele) e só nos envolvemos de verdade em algo, se estivermos bem confortáveis em nossas poltronas macias e vendo o caos no Oriente Médio ou em alguma periferia brasileira na tela da TV, do PC ou do celular. Nos tornamos sedentários mas certamente sairemos do sofá para comer ou ir de carro para algum lugar agradável; viajaremos para outros países mas veremos somente o que a indústria do turismo permitir (e isso tudo é uma crítica a mim mesma). No final, a pergunta que ecoa é: evoluímos tecnologicamente mas e humanamente? Alguns poucos certamente conseguiram avançar mas a grande maioria patina embasbacada (e alienada) pelas variadas facilidades que a pós-modernidade nos trouxe (e que vão durar enquanto tivermos meio ambiente para sustentar tudo isso).

Sem me alongar mais _ porque isso não tem nem terá fim _ tentando não ser tão pessimista (mas obviamente, não conseguindo) convido você a assistir a entrevista de Bauman porque a mim me deixa muito feliz (de verdade) pensar que existe aqui entre nós uma pessoa como ele: disposta a observar o mundo por um viés que humaniza a ‘administração’ desse mundo e que procura desvendar os bastidores desse nosso sistema social sobretudo, com sensibilidade. Um estudioso que para além das estatísticas, enxerga pessoas; que consegue simplificar o entendimento das intrincadas relações humanas modernas propondo conceitos delicados e quase poéticos que traçam paralelos entre a fluidez e da água e a ‘liquidez’ das relações descompromissadas que vamos construindo.



Para terminar: acho que Bauman se tornou esse ‘farol’ porque por meio de suas abordagens amplas que, no entanto, permitem que enxerguemos todos os detalhes, faz com que a gente entenda os aspectos sórdidos do mundo _ as desigualdades sociais, o desemprego, a miséria, os variados preconceitos, as nunca esclarecidas questões econômicas que geram tantas politicagens e mesquinharias e que aniquilam a vida de tantos _pois vemos tudo isso, de uma forma, é claro, desagradável; mas a sensibilidade de sua sociologia também mostra que este caos é, na verdade, bastante organizado. Ao mirar seu refletor para os cantos mais obscuros e longínquos do que se convencionou chamar ‘pós-modernidade’ ou esse espetáculo humano do qual somos autores, atores principais e coadjuvantes, figurantes, espectadores, maquiadores, produtores e etc. Zygmunt Bauman nos oferece a oportunidade da reflexão sobre o nosso desempenho e talvez seja possível ainda, revisar esse roteiro...Quem sabe?"



© obvious: http://obviousmag.org/add_infinitum/2015/bauman-ou-o-humanismo-em-estado-puro.html#ixzz3sGTMl4qL

Nenhum comentário:

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...