SEJA BEM-VINDO!

A ARTE RENOVA O OLHAR!

quinta-feira, 27 de agosto de 2015

Linguista trabalha para perpetuar cultura indígena






Ao comer um abacaxi, ou entrar no cinema com um pacotão de pipoca, você provavelmente nem percebe, mas está usufruindo da mais típica cultura indígena. Essas e outras palavras, ligadas principalmente a alimentos, animais e plantas, são apenas parte do imenso legado que índios e linguistas se esforçam para preservar. Afinal, não dá para imaginar o mundo sem araras, capim, jacarés, paçocas, mandioca, mingau ou mesmo minhocas. Até a pindaíba, situação de que todo mundo foge, tem lá suas origens indígenas.
"De forma geral, guardamos apenas as palavras que os portugueses usavam para denominar coisas típicas da região, mas também há alguns verbos curiosos, como o verbo cutucar, que vem do tupi "cutuc", que significa furar", explica a linguista Ruth Monserrat, que há 40 anos se dedica ao estudo das línguas indígenas.

Formação

Ruth trabalha com a formação de professores índios, para que eles possam alfabetizar as crianças das tribos em sua língua nativa. "Hoje existem cerca de 180 línguas diferentes no Brasil, provenientes de mais de 220 povos. Eu, como linguista, não tenho como dominar todas essas línguas, mas eles, com a formação certa, podem se transformar em ótimos estudiosos e multiplicadores da própria cultura", destaca.

A linguista da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) diz que os professores devem se preparar melhor para debaterem a origem e o significado das palavras indígenas com seus alunos.

"Conhecer a origem das palavras é uma forma de entender a cultura. E valorizando a importância do índio na formação cultural, preparamos as crianças para lidarem melhor com a diversidade", explica Ruth. (Elaine Vieira)

Algumas palavras indígenas que usamos até hoje e seu significado

Bangu.
Colina

Caipira.
Tímido, que tem vergonha

Capim.
Mato fino, folha delgada

Carijó.
Aquilo que vem do branco; também quer dizer mestiço

Carioca.
Casa do branco

Cariri.
Silencioso

Catete.
Porco do mato

Cauã (ou Cauan).
Nome de origem Tupi (indígena), que significa gavião

Cuíca.
Espécie de rato grande com o rabo muito comprido

Ipanema.
Água ruim

Itaipú.
Água que ronca

Itapuã.
Pedra erguida

Jururu.
De aruru, que significa triste

Morumbi.
Morro, colina verde

Mutirão.
Fazer com, ir junto

Nhe.
A língua falada

Nhenhenhém.
Significa falar muito, tagarelice

Puã.
Redondo

Tabajara.
Senhor da aldeia

Tiririca.
Quer dizer arrastando-se, ou alastrando-se; é uma erva daninha famosa pela capacidade de invadir rapidamente os terrenos

Xará:
(X-rer-á) tirado do meu nome

Fonte: www.dicionarioindigena.com.br

Nenhum comentário:

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...