SEJA BEM-VINDO!

A ARTE RENOVA O OLHAR!

sábado, 14 de junho de 2014

FUTEBOL É ARTE


Quem nunca escutou a expressão "futebol arte"? Entretanto, além das belezas com a bola nos pés, alguns artistas tocados pela pelota também colocaram o famoso esporte bretão em telas, esculturas e até nas ruas. Confira uma seleção histórica de obras em que a temática é o futebol.




Quando a 20ª edição da Copa do Mundo se iniciar por aqui, artistas da bola de 32 países terão a oportunidade de mostrar suas "obras de arte", em lances que serão verdadeiras pinturas, fazendo do jogo com a bola, aquilo que alguns chamam de "futebol arte". Além de filmes ou mesmo na literatura, o esporte bretão também foi retratado nas artes plásticas ao longo do tempo, até mesmo antes de se tornar um negócio padrão FIFA!

Tanto a arte quanto o futebol remontam em seu cenário à dramaticidade da vida, onde perdas e ganhos, alegrias e tristezas que correm no campo e no cotidiano dos artistas do espetáculo e da expressão estão em jogo. O "jogo bonito" que encanta os olhos e a alma, é tema de uma seleção que fizemos, onde, muitas vezes, a bola faz parte de cenários que extrapolam o gramado em diferentes formas, inclusive nos momentos trágicos. Confiram:

Du Jin - "Damas chinesas jogando Cuju"

O esporte chinês denominado "Cuju" (chutar a bola) é originalmente um treinamento militar do período dos "Estados Guerreiros" (476 - 221 A.C.) e se tornou um passatempo durante a época da Dinastia Han (206 A.C. - 220 D.C.). A pintura abaixo foi realizada pelo artista Du Jin, da Dinastia Ming (1465 - 1509) e mostra mulheres se divertindo com a bola no pé, jogando Cuju em um jardim.



Thomas Webster- "Football or The Football Game" (1839)

A relação com o futebol acontece na Inglaterra desde o século XII, quando se jogavam com cabeças de porcos decapitadas e utilizadas em rituais da Terça-Feira Gorda. Webster (1800 - 1886) foi um pintor popular de cenas rurais na Era Vitoriana. Esse um dos três quadros, em que pinta um pequeno goleiro assustado com os atacantes em direção ao gol.



Thomas M.M. Hemy - "Sunderland vs Aston Villa" (1895)

Um dos primeiros e mais detalhados trabalhos sobre jogos da liga inglesa mostra um ataque do Aston Villa na área do adversário, lotada de jogadores. O jogo, realizado em 2 de janeiro de 1895, terminou empatado em 4 x 4. A tela de grandes proporções (3,65 x 2,55 metros) foi encomendada em comemoração ao terceiro título inglês conquistado pelo Sunderland em quatro temporadas (1892, 1893 e 1895).



Umberto Boccioni - "O dinamismo de um jogador de futebol" (1913)

Movimentos sucessivos e simultâneos marcam o trabalho do mais famoso pintor e escultor futurista italiano. Na série "Dinamismo", Boccioni sintetizou tempo, espaço e matéria como características corporais de um jogador de futebol correndo.


Lady Butler - "London Irish em Loos" (1916)

Elizabeth Thompson (1846 - 1933), mais conhecida como Lady Butler, foi uma destacada pintora de batalhas militares britânicas. Sua intenção nunca foi retratar as glórias de uma guerra, mas o patético e o heroico. Na cena retratada abaixo, o sargento Frank Edwards do London Irish (clube de rúgbi e futebol) faz um movimento de passe com uma bola de couro ao lado de seus soldados em direção à linha alemã, em uma batalha, em setembro de 1915. Edward foi atingido por uma bola na coxa e intoxicado por gás venenoso. Apesar disso, sobreviveu até 1964. Na batalha de Loos, mais de 110 mil ingleses e alemães foram mortos.



L.S. Lowry - "Indo para a partida" (1923)

Um dos mais famosos pintores britânicos do século XX, Lowry (1887 - 1976) nasceu bem próximo ao estádio do Manchester United (Old Trafford). Entretanto, ele escolheu torcer pelo rival, o Machester City. Suas telas retrataram o ritmo de vida dos trabalhadores do norte da Inglaterra - nada mais importante que a pressa de uma multidão para chegar a tempo do início de um jogo de futebol em uma tarde fria de sábado.



William Reginald Howe Browne - Wembley (1923)

A construção do estádio de Wembley foi finalizada quatro dias antes da final da Copa da Inglaterra entre Bolton e West Ham, em 28 de abril de 1923. Apesar de haver espaço para os 123 mil espectadores, muitos torcedores abarrotaram marquises e outros lugares do campo, inclusive o gramado. A multidão foi pressionada por P.C. George Scorey montado em um cavalo a sair do campo de jogo e o jogo foi apelidado de "A final do cavalo branco", em homenagem à Billie, o animal montado por Scorey. O Bolton se sagrou campeão ao vencer a peleja por 2 x 0. Em 2003, o velho Wembley seria demolido e em seu lugar foi erguido um novo estádio.



Autor desconhecido - "Vencer ou morrer" (anos 1950)

Um pôster de futebol comemora com pesar o telegrama enviado por Benito Mussolini para os jogadores italianos que jogariam a final da Copa do mundo, em 1938, na França contra a Hungria. Por sorte, os italianos derrotaram os húngaros por 4 a 2 e ninguém foi punido pelo Duce.



Georg Eisler - "Hillsborough" (1989)

O expressionista Eisler representou o desastre do estádio Hillsbourough, em Sheffield, Inglaterra, a partir de um frame da tela de TV, às 15h06 do dia 15 de abril, de 1989. Naquela tarde, 96 torcedores do Liverpool foram sufocados até a morte pela lotação da arquibancada na primeira partida da semifinal da Copa da Inglaterra contra o Nottingham Forest. A pintura mostra alguns torcedores se esforçando para ajudar aos que estavam na parte de baixo da arquibancada, algo bem parecido com o afresco de Michelangelo, "O juízo final".



Michael Browne - "A arte do jogo" (1997)

Browne glorificou o domínio do Manchester United no futebol inglês dos anos 1990 com essa pintura. Claramente baseado na obra "Ressurreição" (1460), de Piero della Francesca, Browne colocou o francês Eric Cantona como Jesus, "o virtuoso filósofo do Manchester". Os discípulos que estão aos seus pés são: Philip Neville, David Beckham, Nicky Butt e Gary Neville. Outro jogador do United que aparece na obra é John Curtis. Ele coroa o treinador que se tornou imperador, Alex Ferguson.


Felix Reidenbach - "Adidas Afresco" (2006)

O ilustrador alemão demorou 40 dias para pintar o afresco de 2700 metros quadrados da empresa de material esportivo, no teto da estação central de Colônia (Alemanha). Adaptando o estilo do artista barroco Andrea Pozzo em "O triunfo de Santo Ignácio de Loyola" (1685), que decora a nave da igreja deste santo em Roma, Reidenbach concedeu divindade contemporânea aos jogadores patrocinados da Adidas: Michael Ballack, David Beckham, Djibril Cissé, Kaká, Lionel Messi, Nakamura, Lukas Podolski, Raúl, Juan Román Riquelme e Zinedine Zidane.



João Paulo Siqueira - "Zico" (2008)

Baseado em sua idolatria pelo craque do Flamengo, dos anos 1980 e na vontade de homenageá-lo nas ruas, o artista de rua brasileiro espalhou a caricatura do ídolo por muros e paredes de várias cidades brasileiras.


Jessica Hiltout - "Happy Soko FC" (2010)

A fotógrafa anglo-belga abandonou a publicidade e pegou um velho jipe para percorrer alguns países que a atraía. Em seu livro "Amen: Grassroot Soccer" (2010) é um incrível álbum baseado em jovens jogadores de futebol de 10 países do sudeste e do oeste africano, correndo com a bola ou fazendo gols. A foto ilustra meninos do Malawi jogando uma pelada.



Felipe Barbosa - "Campo verde" (2012)

O artista brasileiro catou objetos nas ruas durante vários e os reciclou, reconfigurando-os e destruindo-os em um questionamento sobre o significado cultural desses objetos. Sua parede 3D com bolas achatadas e costuradas são espetaculares aos olhos de alguns e um sacrilégio para outros.







© obvious: http://lounge.obviousmag.org/amalgama_cultural/2014/06/futebol-e-arte.html#ixzz34a7P3uQc

Nenhum comentário:

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...