SEJA BEM-VINDO!

A ARTE RENOVA O OLHAR!

quarta-feira, 25 de setembro de 2013

Dentro de um abraço, Trecho de Feliz por Nada, de Martha Medeiros



Dentro de um abraço

Onde é que você gostaria de estar agora, nesse exato momento?

Fico pensando nos lugares paradisíacos onde já estive, e que não me custaria nada reprisar: num determinado restaurante de uma ilha grega, em diversas praias do Brasil e do mundo, na casa de bons amigos, em algum vilarejo europeu, numa estrada bela e vazia, no meio de um show espetacular, numa sala de cinema assistindo à estreia de um filme muito esperado e, principalmente, no meu quarto e na minha cama, que nenhum hotel cinco estrelas consegue superar – a intimidade da gente é irreproduzível.

Posso também listar os lugares onde não gostaria de estar: num leito de hospital, numa fila de banco, numa reunião de condomínio, presa num elevador, em meio a um trânsito congestionado, numa cadeira de dentista.

E então? Somando os prós e os contras, as boas e más opções, onde, afinal, é o melhor lugar do mundo?

Meu palpite: dentro de um abraço.

Que lugar melhor para uma criança, para um idoso, para uma mulher apaixonada, para um adolescente com medo, para um doente, para alguém solitário? Dentro de um abraço é sempre quente, é sempre seguro. Dentro de um abraço não se ouve o tic-tac dos relógios e, se faltar luz, tanto melhor. Tudo o que você pensa e sofre, dentro de um abraço se dissolve.

Que lugar melhor para um recém-nascido, para um recém-chegado, para um recém-demitido, para um recém-contratado? Dentro de um abraço nenhuma situação é incerta, o futuro não amedronta, estacionamos confortavelmente em meio ao paraíso.

O rosto contra o peito de quem te abraça, as batidas do coração dele e as suas, o silêncio que sempre se faz durante esse envolvimento físico: nada há para se reivindicar ou agradecer, dentro de um abraço voz nenhuma se faz necessária, está tudo dito.

Que lugar no mundo é melhor para se estar? Na frente de uma lareira com um livro estupendo, em meio a um estádio lotado vendo seu time golear, num almoço em família onde todos estão se divertindo, num final de tarde à beiramar, deitado num parque olhando para o céu, na cama com a pessoa que você mais ama?

Difícil bater essa última alternativa, mas onde começa o amor, senão dentro do primeiro abraço? Alguns o consideram como algo sufocante, querem logo se desvencilhar dele. Até entendo que há momentos em que é preciso estar fora de alcance, livre de qualquer tentáculo. Esse desejo de se manter solto é legítimo, mas hoje me permita não endossar manifestações de alforria. Entrando na dos namorados, recomendo fazer reserva num local aconchegante e naturalmente aquecido: dentro de um abraço que te baste.

2 comentários:

Aroldo Vieira de Souza disse...

A meu ver o amor começa num lampejo do acaso,quando duas pessoas desenvolvem um súbito interesse uma pela outra.Quando acontece o "trim,trim" dentro de um lugarzinho em nosso ser,que ninguém sabe realmente aonde fica mas,que acreditamos ser em nosso coração filosófico.E o que gera dessa profusão de energia,do querer estar perto mesmo distante,dos hormônios a mil gritando por carinho e atenção,Shakespeare definiu como AMOR e daí em diante tudo que há dentro e fora do mundo inspira aqueles que amam,aos tantos me incluo e afirmo que fui libertado pelo AMOR.Eu me sinto bem!

Aline Carla disse...

Meu poeta no seu texto há tanta beleza quanto ao amor que me faz prosseguir em sua reflexão.
Beijos, Aline Carla.

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...