SEJA BEM-VINDO!

A ARTE RENOVA O OLHAR!

quarta-feira, 30 de março de 2011

RESOLUÇÕES DAS QUESTÕES 1,2 e 3 de terça.

1 - D

2 - Modelo de Respostas:
0%:
exemplo 1
O material utilizado reflete o auge da indústria de alumínio, nesse período em que a obra foi produzida, a arte no Brasil estava mostrando o que o autor sentia e ao mesmo tempo a defesa do que o observador achava sobre a obra, sendo isso evidenciado pelo jeito como foi feito, parecendo o alumínio o rosto de um animal.
exemplo 2
O monumento cultural que fez parte desse período foi a semana de arte moderna, onde muitos artistas participaram e o movimento era uma “recriação” daquilo que era arte. Foi nessa época, onde o conceito e a visão sobre aquilo que era arte mudou. Cada um interpretava essa escultura de um modo diferente. Pode- se dizer que a artista em um momento de transição do surrealismo para o futurismo, onde o uso de metal é muito constante, as formas são um pouco contorcidas, não dão uma noção muito clara e foi onde os artistas mais representavam as esculturas e quadros mais modernos, inovadores e tecnológicos.

25%:
exemplo 1
Foi a época que começou a ditadura e através dessa obra pode-se perceber que era o modo como os artistas podiam se expressar. O fato de ser um conjunto de formas (pirâmides) interligadas, faz com que o formas, enfim, em tudo relata o que achou. Ele que busca o verdadeiro significado da obra e também repara no material utilizado. Pois foi nessa época que a indústria brasileira teve um desenvolvimento muito acelerado possibilitando construções de monumentos e estátuas em escalas industriais.
exemplo 2
O material usado evidencia o progresso industrial trazido entre os anos 50 e 60 por JK, que abriu o mercado brasileiro para investimentos estrangeiros. O observador pode moldar a obra e fazê-la adquirir uma nova forma – pela presença de dobradiças, como bem desejar. A obra não só contem aspectos estéticos importantes (deixando os significados em segundo plano) como também procura estabelecer vínculos com o passado. Movia nessa época, movimentos de defesa das minorias, como mulheres e negros, alem da procura pela paz ao invés de contextos violentos e emancipação jovem.

50%:
exemplo 1
A participação do observador na obra de arte acontece na medida em que ele pode manipular as dobradiças, interagindo e mudando o formato da obra. O alumínio passou a ser amplamente utilizado a partir dos anos 60, ocorrendo uma popularização desse material. Portanto, ao utilizá-lo na confecção da obra de arte, a artista manifesta a intenção de tornar a obra acessível ao publico.
exemplo 2
Lygia Clark pertenceu ao movimento concretismo, porem através de suas obras questionava o racionalismo exarcebado do concretismo enfatizando a relação autor, obra e ruídos. Dependendo a participação do observador na obra, essa feita de placas de metal e dobradiças permitiam o contato, que modifica a obra, atribuindo-lhe novas aparências. Essa característica atribui a obra uma maio “vivacidade”. Seu material reflete o intenso período de industrialização que o país vinha passando principalmente durante o governo JK, por exemplo.

75%:
exemplo 1
Lygia Clark em “Bicho” reflete com propriedade aspectos de sua arte e da sociedade brasileira dos anos 60. Ela assume o neo-concretismo (idéias baseadas em Malevich) isso é, afirma que deve haver interação entre o público e a obra, despertando os sentidos do observador. Esse movimento refletiu-se na literatura através de Aroldo de Campos, por exemplo. Outro movimento desse período foi a Bossa nova (1950), mais tarde o Cinema Novo, com Glauber Rocha e o Tropicalismo. O material explora os sentidos, pode ser alterada pelo observador, interagindo com o público, inova pelo material e garante a supremacia da arte.
exemplo 2
A artista Lygia Clark pertence ao neoconcretismo, como Hélio Oiticica. Fez parte também de um movimento, o grupo Ruptura que era contra a representação da paisagem na arte e adepta da geometrização dela, assim como Geraldo Barros. A arte concreta se opunha ao abstracionismo, livrando-se de interpretações subjetivas e enigmas nas obras, defendendo “a arte,é o que você vê”, algo como Alberto Caeiro acredita:ver sem pensar. A não utilização de base nas esculturas permite a interação da obra com o ambiente, e Lygia também defendia que a arte não fosse restrita aos museus, pois ela estava também nas ruas. O observador pode manusear a obra, participando e interagindo com ela. Com o desenvolvimentismo de JK, o alumínio e a produção industrial se expandiu para as artes.

100%:
exemplo 1
A obra “Bicho”, realizada em 1958 remete a época do desenvolvimento brasileiro nos anos JK, onde eclodiram movimentos culturais como por exemplo a bossa nova. Os anos de ouro também são marcados pelo desenvolvimento da industria de base-material que confere a obra de Lygia Clark, o alumínio. A artista acreditava na interação do espectador com a obra, e “Bicho” é uma estrutura moldável de acordo com o espectador. A obra tem a função de levar arte as massas e de fazer com que todos interajam com ela, e vale-se de elementos geométricos típicos da arte concretista da época, como linhas puras, perfeitamente evidenciadas no trabalho de Lygia Clark.
 
3 - C

Nenhum comentário:

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...